Operação desarticula rede de tráfico interestadual de drogas

Tue, 11 Feb 2020 10:07:59 -0300 / 0 Comentários

Uma operação da Polícia Civil do Distrito Federal, deflagrada nesta terça-feira (11), cumpriu 12 mandados de prisão temporária contra suspeitos de comandar uma rede de tráfico interestadual de drogas sintéticas. Até o último balanço, nove pessoas haviam sido presas.

Além disso, agentes da operação - batizada de Poseidon - cumpriram outros 17 mandados, dessa vez de busca e apreensão em endereços de Brasília, em imóveis no Entorno do DF e em quatro cidades de Santa Catarina.

DF e região do Entorno:

  • 7 mandados de prisão
  • 9 mandados de busca e apreensão

Santa Catarina:

  • 5 mandados de prisão
  • 8 de busca e apreensão

Segundo a investigação, os alvos mantinham laboratórios de drogas sintéticas - ecstasy e LSD - nessas regiões. Ao todo, 80 policiais participaram da força-tarefa nas ruas.

Se comprovada a autoria dos crimes, os investigados devem responder por tráfico de drogas, associação ao tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Nesses casos as penas podem ultrapassar 30 anos de prisão.

Investigação

A investigação começou ainda no ano passado logo após as prisões durante a operação Tridente - que cumpriu 50 mandados de prisão e de busca e apreensão no DF, em Goiás e em Minas Gerais. Na época, a polícia apreendeu 8 mil comprimidos de ecstasy.

Em janeiro deste ano, o líder do grupo, morador de Santa Catarina, também foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF-SC), no estado. Segundo a Polícia Civil, ele transportava 210 kg de cocaína.

Rede interestadual
A investigação apontou que parte do grupo de Santa Catarina era responsável pela produção e pelo fornecimento de drogas para os investigados do Distrito Federal. Em Brasília, os traficantes revendiam os comprimidos a usuários.

À época, a Justiça determinou ainda o bloqueio de contas bancárias dos envolvidos e de pessoas que teriam sido usadas por eles como "laranjas".

A operação identificou também imóveis em cidades litorâneas de Santa Catarina que foram adquiridos com dinheiro do tráfico. Alguns lotes são avaliados em mais de R$ 1 milhão, segundo a Polícia Civil.

Informações G1